FGTS

Como você provavelmente já sabe, a partir do início deste mês (mais especificamente dia 10/03), os trabalhadores têm a possibilidade de sacar o dinheiro de suas contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), ou seja, de empregos anteriores dos quais o trabalhador pediu demissão ou foi mandado embora por justa causa.

Este assunto está muito em alta desde então e naturalmente muitas dúvidas surgiram em torno disso – a compra de imóveis é um deles. No artigo de hoje vamos tirar algumas das principais dúvidas que vemos surgirem por aí, e ainda auxiliar as pessoas que compraram um imóvel com o saque do seu FGTS e estão de mudança.

Existem outras formas de comprar um imóvel, além do financiamento?

Sim. É possível usar o seu FGTS, por exemplo, porém é preciso seguir algumas regras a serem obedecidas. São elas:

É preciso ter contribuído com o fundo de garantia por pelo menos 3 anos. A boa notícia é que esses anos não precisam ser consecutivos e nem na mesma empresa.
Você não pode ter nenhum tipo de financiamento imobiliário ativo, ou seja, em andamento dentro do sistema financeiro da habitação.
Não é permitido ser proprietário de nenhum imóvel, possuir uma “promessa de compra e venda” ou ser usufrutuário de um imóvel.

Consigo usar o FGTs para fazer a reforma do apartamento?

Não é possível usar o FGTs para a reforma de um imóvel, bem como não é permitido usá-lo para a compra de um terreno.

Como funciona o consórcio imobiliário?

Diferente de uma linha de financiamento ou empréstimo, nos quais o dinheiro vem do próprio banco, no consórcio imobiliário o dinheiro vem dos próprios consorciados – pessoas que assim como você, querem adquirir um bem.

A vantagem deste modelo é que você não precisa esperar até o final do consórcio para receber o dinheiro e comprar o imóvel. Você pode ser contemplado e receber o dinheiro antes do prazo – via sorteio (normalmente mensal) ou via lance, que nada mais é do que fazer uma oferta, e caso ela seja a maior do mês, você automaticamente é contemplado.

Vale dizer que nessa modalidade você pode usar tanto recursos próprios (dinheiro guardado) ou o seu fundo de garantia (sim, é permitido!) desde que você se enquadre nas regras.

Não existe melhor nem pior, tudo depende de uma série de fatores que só podem ser analisados caso a caso. Mas, de um modo geral, pode-se dizer que o consórcio pode ser uma opção melhor para quem não tem pressa de adquirir o bem, enquanto o financiamento para aqueles que querem para ontem.

Vemos muitos casos de clientes que compraram um imóvel, através do FGTS ou não, e que agora estão em um momento de reforma do mesmo. Os problemas em torno disso geralmente são os mesmos: a sujeira e bagunça gerada por uma reforma não é pouca, e os proprietários sempre querem encontrar um jeito de proteger seus imóveis.

Contar com um self storage é um meio muito inteligente de resolver esse problema, afinal você estará locando um espaço seguro, limpo, próximo de onde você reside e o melhor: a contratação é flexível, então você pode alugar apenas pelo tempo que durar sua reforma!

Quer saber mais sobre esse modelo de self storage? Um de nossos consultores está pronto para te explicar melhor!

Conheça o GuardeAqui, um self storage muito além do guarda móveis

No GuardeAqui você escolhe o tamanho do seu box, armazena os seus bens e pode acessá-los livremente com total privacidade, por um preço que cabe no seu orçamento

Voltar ao Blog